O meu cantinho!...

Não sou Poeta, não sou Professor, não sou Engenheiro e muito menos Doutor. Sou alguém que aprendeu a ser o que é, porque um dia me disseram que na vida o que realmente importa é ser eu próprio, confiar nos sentimentos e respeitar o que nos rodeia, ...as pessoas e ...o Mundo!

(Não é permitida a duplicação de partes ou da totalidade deste site sem a permissão do WebMaster)

» Ver dados pessoais «

quinta-feira, fevereiro 07, 2008

A Ilha das Trevas (II)

PARTE II

«Fez-se um súbito silêncio. Senti a Isabelinha debaixo do meu braço, soluçando baixinho, e ouvi gemidos a erguerem-se da montanha de corpos que nos rodeava. Mas a minha mãe estava claramente morta. Como me encontrava deitado, não conseguia ver o que se passava à minha volta. Ouvi tiros isolados e os gemidos pararam. A Isabelinha tremia encostada a mim e isso deve ter despertado a atenção de um nangala. O homem aproximou-se e encostou a M16 à Isabelinha. Entrei em pânico. Percebi que a iam executar e não me contive. Gritei “tolong” em bahasa indonésio e ajoelhei-me aos pés do nangala, pedindo misericórdia. O soldado riu-se. Vi um oficial e gritei-lhe que era amigo do major Mubyarto. O oficial, um capitão, aproximou-se e fez sinal ao soldado de que não disparasse. Isso tranquilizou-me ligeiramente. Expliquei-lhe que eu e a minha filha não éramos de Kraras, tínhamos chegado há alguns dias e não tínhamos nada a ver com o que acontecera. Queríamos era regressar a Díli e expliquei-lhe que eu até pertencera às Hansip e era totalmente a favor da integrasi.
O capitão ficou a olhar para mim e para a Isabelinha, que tremia e soluçava. Claramente, estava a avaliar o caso e preparava-se para tomar uma decisão. Quando finalmente quebrou o silêncio foi para me perguntar se eu era mesmo totalmente a favor da integrasi. Respondi-lhe que sim. Perguntou-me como é que podia provar isso. Respondi-lhe que teria de ser o major Mubyato a testemunhar a meu favor. O capitão disse que não conhecia nenhum major Mubyarto e que, de qualquer modo mesmo que ele existisse não estava ali nesse instante para ser consultado. Pareceu-me óbvio que teria de se aguentar até se conseguir falar com ele, mas não me atrevi a fazer a sugestão, poderia ser considerada uma insolência. O capitão insistiu que precisava de uma prova da minha lealdade para com a Indonésia. Fiquei a olhar para ele, sem perceber bem que prova lhe poderia dar. Perguntou-me se estava disposto a fazer tudo pela integrasi. Claro que lhe disse que sim.
Foi nesse momento que ele me disse que matasse a Isabelinha.»

(... CONTINUA ...)
Nota - A parte ente « e » é uma transcrição na íntegra das páginas do livro "A Ilha das Trevas" de José Rodrigues dos Santos.

Etiquetas:

3 Comments:

At 09 fevereiro, 2008, Blogger as-nunes said...

Mais uma sensacional demonstração das grandes emoções transmitidas aos seus leitores pelos livros de José Rodrigues dos Santos.
Estou a ler 666.
Que irá ser deste Planeta? O Homem já não vai a tempo, nem sequer para isso tem força de vontade (que implicava despojar-se de parte do supérfluo da sua vida)de alterar o rumo aos acontecimentos.
Será que é inevitável o que se prevê no livro e nas reportagens televisivas que vemos diariamente?
Um abraço
Anrónio Nunes

 
At 21 janeiro, 2010, Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

 
At 29 novembro, 2011, Anonymous Anónimo said...

Qual é o significado de "nangala" em Timor Leste?
Qual a origem da palavra?

 

Enviar um comentário

<< Home