O meu cantinho!...

Não sou Poeta, não sou Professor, não sou Engenheiro e muito menos Doutor. Sou alguém que aprendeu a ser o que é, porque um dia me disseram que na vida o que realmente importa é ser eu próprio, confiar nos sentimentos e respeitar o que nos rodeia, ...as pessoas e ...o Mundo!

(Não é permitida a duplicação de partes ou da totalidade deste site sem a permissão do WebMaster)

» Ver dados pessoais «

quarta-feira, outubro 17, 2007

«A Guerra»

«A Guerra» é o nome dado à série documental realizada pelo jornalista Joaquim Furtado sobre os 13 anos de conflito nas antigas colónias Portuguesas. Estava expectante. Já durante o Prós e Contras de ontem (2ª feira) que versava sobre o mesmo tema, e que me permitiu alguns esclarecimentos e aprendizagem sobre a matéria, tinha ficado com “água na boca” e hoje, apenas depois de visionado o 1º episódio, posso dizer que não tenciono perder nenhum dos 9 episódios (para já, dos 18 previstos na totalidade).
Para começar, e desde já aqui expresso um grande obrigado ao jornalista pelo facto de trazer à luz este tema e este período tão envolto em polémica e controvérsia, desta forma tão objectiva e clara colocando as opiniões e versões das duas partes, em confronto directo, apoiando-os em imagens e sons que muitos (quiçá) gostariam de ver caladas e ocultadas.
Este é um assunto que me toca em particular, já que alguns familiares meus e amigos da família nele estiveram directamente envolvidos, lutando contra os “turras” provocando-lhes mazelas e sequelas não só físicas mas sobretudo psicológicas, e viria anos mais tarde a provocar e a marcar mudanças radicais na minha vida pessoal.
Não sabendo muito sobre o tema, (apenas pequenos fragmentos de relatos mais ou menos concretos que vão ficando) é agora a oportunidade de saber e compreender o porquê das coisas, os acontecimentos que tudo despoletaram, quem foi culpado e do quê, e tentar compreender porque afinal morreram tantas almas a combater, a maioria sem saber porquê nem por quem!
Durante este episódio, não escondo que muitos sentimentos, alguns contraditórios, passaram pela minha mente, tal a frieza dos relatos e imagens, muitos(as) deles(as) chocantes. Mas a Guerra é mesmo assim.
Uma das coisas que ao fim de tantos anos consegui finalmente compreender é o porquê dos vários nomes que deram à “Guerra”, para uns a “Guerra Colonial”, para outros “Guerra do Ultramar” e ainda “Guerra de Libertação”. Outra é como tudo começou a 15 de Março de 61, como foram ignorados todos os indícios e avisos, (deliberadamente ou não ficaremos para sempre na dúvida), … nascido já com tudo aquilo em alvoroço, quase nos finais do conflito, apanhado em criança no meio de um turbilhão de acontecimentos, muita coisa ficou por esclarecer e descobrir… até hoje!
Venha o próximo episódio, e o próximo, e o próximo… pode ser que no final se possa dizer “às putas quem foram os coirões” no meio de tudo isto.

Esta excelente série será exibida pelo canal 1 da RTP, às terças no final do telejornal (21:00 horas) com duração aproximada de 1 hora por episódio.
Para quem não teve oportunidade de ver, veja a RTPN Sábado às 23:00 horas.

Etiquetas: ,

7 Comments:

At 17 outubro, 2007, Blogger al cardoso said...

Tambem estou expectante, espero que os passem tambem na RTPI, mas como ja e normal so passam esses programas passados algum tempo, e que nos portugueses no estrangeiro ainda nao somos de primeira!

Um abraco d'Algodres.

 
At 17 outubro, 2007, Anonymous Anónimo said...

Quando terminou a 2.ª Guerra Mundial o mundo ficou em "Guerra Fria" e quer os EUA quer a Russia "estavam de olho" nas nossas Colónias ou Províncias Ultramarinas e pretendiam que ficassem sob a sua esfera de influência, por isso ainda que Portugal tivesse abandonado aqueles territórios, a guerra continuaria neles, tal como continuou até ao fim da "Guerra Fria".

No entanto, com quase todo o mundo contra nós, não seria possível manter indefenidamente a situação e melhor seria que o Antigo Regime Português tivesse reconhecido o facto e preparado a sua saída para que não fosse tão dramática como foi, a qual poderia ter sido ainda bem pior, se as independências se tivessem dado por via da derrota das tropas portuguesas: Aí os portugueses ficariam encurralados e seria de esperar-se um verdadeiro "banho de sangue", a língua portuguesa não seria mantida (obviamente) e as relações com esses novos países teriam ficado cortadas, como aconteceu com a Índia até ao 25 de Abril.

Os Portugueses poderão agora, se o desejarem, voltar a apostar nesses países, embora com uma postura não colonialista.

Zé da Burra o Alentejano

 
At 17 outubro, 2007, Blogger carneiro said...

Escandaliza-me ver meros e reles criminosos de guerra, assassinos que massacraram indiscriminadamente homens, mulheres, velhos e crianças desarmados, serem tratados como "heróis da libertação".

Os da Bósnia e da croácia foram sujeitos a Tribunal criminal internacional. Os heróis angolanos, contudo, ainda acabarão por ser condecorados pela republica portuguesa por terem tido a coragem extrema de esventrar populações civis a esmo...

 
At 17 outubro, 2007, Blogger Amaral said...

Matos
Confesso que o tema não pde ser esquecido nem desvirtuado, mas o programa passou-me ao lado.
Estive dedicado à leitura.
Abraço

 
At 18 outubro, 2007, Blogger Musician said...

Algo muito interessante!
Obrigado!

Beijinhos*

 
At 19 outubro, 2007, Anonymous Anónimo said...

visitem

tiamikas.blogspot.com

 
At 21 janeiro, 2010, Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

 

Enviar um comentário

<< Home