O meu cantinho!...

Não sou Poeta, não sou Professor, não sou Engenheiro e muito menos Doutor. Sou alguém que aprendeu a ser o que é, porque um dia me disseram que na vida o que realmente importa é ser eu próprio, confiar nos sentimentos e respeitar o que nos rodeia, ...as pessoas e ...o Mundo!

(Não é permitida a duplicação de partes ou da totalidade deste site sem a permissão do WebMaster)

» Ver dados pessoais «

sexta-feira, janeiro 05, 2007

4 Primos [3º Capítulo]

Descendo por umas escadinhas ao longo do paredão, depressa No fundinho da barragem a foto para a posteridadechegámos lá ao fundo de onde parte a ribeira que nos acompanhará por mais dois Covões. Atravessamos para a sua margem esquerda, subimos um pouco para logo de seguida descermos através do leito pedregoso da zona de descargas da barragem. Todo este trilho (o T1) está demarcado por pequenos traços de cor avermelhada regular e estrategicamente colocados nas rochas que ladeiam o trilho, no entanto, devido ao clima e à erosão, sítios há em que quase são já imperceptíveis o que tem levado os caminheiros (como nós) a edificarem pequenos marcos de pedras soltas para balizar e tornar mais perceptível o trilho. No entanto as forças da natureza teimam em apagar todas essas marcas, como é o caso da zona agora atravessada, cuja força da água em alturas de degelo tudo apaga e transforma, Águas puras e cristalinas são cada vez mais raraso que nos leva por vezes a desvios de rota percorrendo trilhos de animais e de pastorícia. Foi o caso.
Ao chegarmos ao Covão da Nave, damos conta que estamos no lado errado da ribeira, ou seja na margem direita, e lá do outro lado aparecem agora as marcas e montículos de pedra. De um lado e de outro erguem-se paredes rochosas altíssimas e a pique, marcadas aqui e acolá por enormes desabamentos que originam grutas e reentrâncias grotescas e assustadoras, fazendo pensar que tudo aquilo pode desmoronar a qualquer momento. Consultado o mapa e as O Covão da Naveindicações que levávamos, constatamos que a solução era mesmo atravessar a ribeira pondo à prova a (im) permeabilidade das botas de uns e a “técnica do salto” para outros. Já no trilho certo iniciamos uma enorme descida de uns bons 20 metros por entre pedras e cascalho torneando a grande fraga do Padre-Nosso em SS sucessivos, com mil cuidados face a algumas zonas muito escorregadias. Quando por fim chegámos ao último dos 4 Covões, o da Areia, e olhámos para trás é que percebemos o porquê do nome. É que quem faz o trilho no sentido Loriga - Torre, a subir portanto, ao ali chegar bem que pode rezar uns valentes “Padres Nossos” para arranjar coragem.
Para trás ficou a Fraga do Padre NossoEste Covão deve o nome precisamente ao facto de estar coberto de areia (bem é mais areão que areia), e nele encontramos alguns cercados feitos com muros de pedra em locais abrigados onde no Verão são encerrados e resguardados os rebanhos durante a noite, outros há que estão já complementados por cercas em rede, e é dos quatro talvez o mais abrigado e quente, marcando o termómetro ali cerca de 7 graus enquanto nos outros variava entre 4 e 6 graus. Passava já das 17:00 e prevíamos que teríamos mais 15 a 20 minutos de luz natural, pelo que se impunha uma decisão: Parar, montar tenda e acampar! … Ou prosseguir até mais abaixo!
Depois da segurança vem a incerteza e um trilho cada vez mais dificilAinda era dia, ainda não tínhamos Loriga à vista e principalmente não havia por ali nenhum abrigo natural para pernoitar que era o nosso desejo apesar de carregados com uma tenda. Entre avanços e recuos, dúvidas e teimosias… prosseguimos. Assim que chegados ao limiar do Covão veio o vento, primeiro fraco tornando-se a cada metro mais e mais poderoso, mas a vista compensava. À esquerda o abismo, à direita uma parede rochosa, à frente um estreito trilho, lá ao fundo ainda longe as primeiras casas de Loriga, para trás cada vez mais longe a segurança do Covão, mas… p’ra frente é que é caminho! Depressa nos apercebemos que seria difícil Era quase noite...arranjar um lugar abrigado e seguro, a noite caía impiedosa, o frio aumentava, o vento vinha agora de todas as direcções remoinhando nas escarpas e reentrâncias da serra, mas continuávamos a descer. A Lua atrás de nós já brilhava e o Sol apenas pintava o horizonte de um laranja pesado e carregado havendo pelo meio grossas e negras nuvens, continuávamos a descer e a fazer já planos de uma longa e penosa caminhada noite dentro, até que… o primo que seguia na dianteira parou e apontou para a esquerda a uns bons 30 metros dizendo: Estão a ver ali aqueles grandes penedos com uns buracos escuros? É ali que vamos passar a noite. Tem de ser ali!
O 'explorador' dentro da 'explorada'Largou ali mesmo a mochila e ofereceu-se para lá ir explorar. Nós, os restantes 3 primos, sentámos ofegantes e ficámos de ouvido colado aos intercomunicadores que levávamos. Ele quase desapareceu na escuridão sendo perceptível apenas através do foco da sua lanterna.
- É mesmo aqui, isto é um duplex, podem descer. Disse por fim.
E lá fomos, algo desconfiados. A meio da descida era já um triplex e pouco depois já tinha 4 assoalhadas. Aquilo prometia. Atravessada uma pequena ribeira chegámos ao A entrada do nosso abrigoHotel, verdadeiramente espantoso, um conjunto de 3 ou 4 gigantes penedos dispostos de tal forma que possuíam nas suas entranhas vários locais e grutas “habitáveis”. De todas escolhemos uma, mais seca e numa posição superior, com vestígios de ser usada já por pastores e mesmo por ovelhas durante a época de verão. Era comprida, com uma zona já delimitada para fogueira, uma pequena laje de pedra a fazer de mesa e dois pequenos assentos de pedra.
Era noite escura, passava das 18:00 e ali estava ele, o nosso abrigo na montanha. Ia ser uma noite em grande, … e que grande!

(Continua)

16 Comments:

At 06 janeiro, 2007, Blogger pitanga said...

Ó Matos não conhecia este teu lado Indiana Jones. O rapaz achou "maneiro". Estás a dar idéias ao biólogo.
Abraços no dia de Reis.

Mila Reis.

 
At 06 janeiro, 2007, Blogger Ida said...

Que dez este blog! fiquei cheia de inveja, eu que já me acho uma aventureira pq consegui fazer rafting e amei... mas com cavernas, não vou... água sim... montanhas me assustam. FIco contente de ter vindo, mas confesso que vinha mesmo para pedir solidariedade e quem me deu teu nome foi a Pitanguinha aí de cima.

É que eu estava praguejando por não saber colocar ficheiros de audio no blog e ela disse que tu sabes TUDO!!! e que eu devia te consultar. Assim.. cá estou... e se além das nuvens e encostas ouvires meu apelo, aparece lá no meu cantinho ou manda mail pra explicar. Tb podemos tentar um msn... mas eu queria muito... tb sou um pouco paciente... e se tiver que esperar, acho q aguento sem nenhum ataque histérico até amanhã...:)))

Brincadeira... mas aceito qq ajuda!

Beijinhos

E Feliz dia de Reis!

 
At 07 janeiro, 2007, Blogger Musician said...

Grande aventura!
Mas é destas coisas que a vida precisa! Ou que os humanos precisam :)

Beijinhos e bom Domingo*

 
At 07 janeiro, 2007, Blogger JL said...

Isto, sim é melhor que qualquer novela e prende a malta a este espaço. A aventura é fantástica e eu fico à espera dos restantes episódios.

 
At 08 janeiro, 2007, Anonymous Anónimo said...

Mas que bela aventura! Em tempos idos também me dava a essas"guerras" tão saudáveis...E ainda há quem só ame dar passadas pelos corredores dos centros comerciais!! que pena!Realmente não saboreiam o melhor da vida...Força .Contem mais...

 
At 08 janeiro, 2007, Blogger pitanga said...

Ontem à tarde fomos às Ruínas Romanas mas o acesso estava fechado. Estou mandando um e-mail para explicar melhor o caso da Ida.
abraços e...que tarde, hein?

 
At 08 janeiro, 2007, Blogger isabel victor said...

CMatos : prazer em conhecer ! venho aqui pedir-lhe uma breve lição sobre - como pôr música em blogs ? Se me puder ajudar ...

BlogAbraço

 
At 08 janeiro, 2007, Blogger CMatos said...

ida e isabel victor, espero que tenha ajudado...

 
At 08 janeiro, 2007, Blogger isabel victor said...

OBRG CMatos !*

Vou experimentar ...

Ida : já tens BlogMusical ?

BlogAbraços

 
At 09 janeiro, 2007, Anonymous Anónimo said...

Matos tentei mandar-te um e-mail mas houve qualque erro. Podes mandar-me qualquer coisa para eu atualizar teu endereço?
Vejo que já respondeste a Ida.
No momento o meu blog está em pane e eu estou com vontade de chorar ou de dizer meia dúzia de coisas feias...muito feias!!!!
abraços

 
At 09 janeiro, 2007, Anonymous Anónimo said...

Este anonymous sou eu a Pitanga. Deve haver um fantasma a me infernizar a tarde e a senha não entra...#&%&#%

 
At 10 janeiro, 2007, Blogger Sofia said...

Olá Carlos! Bom ano para ti- cheio de saúde e alegria, paz e uns dinheiritos (já agora!)Espero que as festas tenham corrido bem!
Bjs Sofia

 
At 10 janeiro, 2007, Blogger carneiro said...

continuo a acompanhar ( e a invejar) a aventura.

 
At 10 janeiro, 2007, Blogger pitanga said...

Matos obrigada pela a atenção que deste a Ida. Hoje estou com problemas no IG e no blog. %&%#&%
abraços

 
At 10 janeiro, 2007, Blogger CMatos said...

Aqui fica um aviso à navegação:

ASSIM QUE TENHAM UNS MINUTOS CONVERTAM OS VOSSOS BLOGS PARA A NOVA VERSÃO.

É mais rápido e mais fiável. Como? Assim que fizer login no blog clique em "Switch to the new version »"

Nota - O servidor do BlogSpot antigo esteve em manutenção no dia 9 de Janeiro e a coisa prolongou-se mais que o previsto... por isso a coisa não tem estado fácil. Já a nova versão... corre ligeirinha!

 
At 21 janeiro, 2010, Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

 

Enviar um comentário

<< Home