O meu cantinho!...

Não sou Poeta, não sou Professor, não sou Engenheiro e muito menos Doutor. Sou alguém que aprendeu a ser o que é, porque um dia me disseram que na vida o que realmente importa é ser eu próprio, confiar nos sentimentos e respeitar o que nos rodeia, ...as pessoas e ...o Mundo!

(Não é permitida a duplicação de partes ou da totalidade deste site sem a permissão do WebMaster)

» Ver dados pessoais «

sexta-feira, dezembro 22, 2006

4 Primos [2º Capítulo]

Passado o Poio Estrela (1931 metros) com uma vista de cortar a respiração sobre as lagoas “Serrano” e “Quelhas”, o trilho desce em direcção a estas O Picos em posesempre ladeando uma linha de água que serpenteia por entre urzes e penedos vencendo os declives em pequenas cascatas. Aqui, embrenhados na serra, o silêncio impera apenas entrecortado pelo vento e pelo marulhar das cascatas que vão engrossando à medida que nos vamos aproximando das lagoas, no entanto algo nos vai entristecendo num sentimento conjunto de revolta, e que me leva a deixar aqui e agora um apelo:
- Por favor, depois de fazer o fantástico e tradicional “sku” NÃO ABANDONE OS PLÁSTICOS que usou, guarde-os ou deposite-os no lixo (O plástico leva mais de 100 As pernas abertas não é pose... é para contrariar o vento!anos a decompor-se no mar, por exemplo).
Não imaginam a quantidade de lixo que é arrastado por estas linhas de água, e que fica depositado/preso nas pedras, arbustos e nas margens das lagoas: Plástico, pacotes, potes plásticos e de metal, bidões, restos de tecidos, calçado, e até, imagine-se, um colchão de espuma/esponja. É uma dor de alma.
Bom, o trilho leva-nos a ladear a Lagoa das Quelhas por uma nesga de terra que a separa da Lagoa dos Serranos mais a Poente, e a passar por cima de um pequeno Cá dentro sempre se está melhorparedão que represa as águas e que assim à vista desarmada parece prestes a desmoronar-se, para mais com as águas batidas pelo vento a baterem-nos nas botas. Já passava das 15:00 e o estômago começava a pedir intervenção, a procura de um lugar resguardado do vento não demorou muito e ainda com as águas à vista, a uns escassos metros do trilho, avistámos um pequeno abrigo de pastores não muito abrigado diga-se, mas com o sol a compensar. Aliviados das mochilas, recostados no seu interior, era hora de ingerir umas barritas energéticas, umas Forte e feio, mas acolhedorbolachas e líquidos quanto baste. O tempo urgia pelo que a paragem foi breve e rapidamente atingimos sem grandes sobressaltos o Covão Boeiro, o 1º de quatro, situado no início da chamada garganta de Loriga. Este trilho, como já anteriormente tinha referido percorre um vale glaciário entre a Torre e Loriga, mas contrariamente ao outro (Vale do Zêzere, desde o Covão da Ametade até Manteigas) é constituído por quatro grandes Covões em socalcos escavados pelo gelo, finalizando num típico vale em U já perto de Loriga. Este 1º Covão (o Boeiro) é percorrido por uma linha de água Vistas sempre deslumbranteslímpida e cristalina, (sem o lixo que já ficou lá no alto), em curvas sucessivas pelo meio de tufo verdinho que nós comparámos com a vista aérea do rio amazonas (à devida escala) que dará origem mais abaixo a uma outra lagoa (a maior das três).Sempre descendo, agora por um largo caminho chega-se ao Covão do Meio (1650 metros) totalmente ocupado pela Lagoa com o mesmo nome e uma particularidade que Para além de largo é fundo tambémdesconhecia-mos por completo. Daqui parte um túnel escavado à mão através de rocha maciça em direcção à Lagoa Comprida por onde escorre o excesso de água durante o Inverno e através do qual, no Verão, se procede à transferência da totalidade das águas ficando por aqui apenas o suficiente para manter o normal caudal da ribeira. Passando por cima desse verdadeiro “ralo” gigante temos um outro desafio, o trilho A cascata ao vivo é muito mais impressionanteestende-se por um passadiço suspenso sobre as água escuras da lagoa cravado na parede rochosa vertical, única passagem para o “outro lado” que, meio desconfiados, lá atravessamos. Na outra margem da Lagoa escorre uma grossa linha de água ao longo da, também, parede rochosa em sucessivas cascatas parecendo tratar-se de uma só ao longo de uns bons 100 metros que desperta em nós os mais variados comentários que se resumem talvez num única palavra: espectacular. Depois do passadiço, uma enorme escadaria que sobe por entre as rochas e logo outra a descer que nos leva ao grande paredão fazendo lembrar a Aguieira em miniatura. A meio do paredão sustemos a O que aconteceria a Loriga se isto rebentasse?respiração, a nascente uma enorme maça de água emparedada em altas ravinas de rocha, a poente um grandioso vale que nos leva o olhar até à Serra do Açor e não a mais longe, porque as nuvens já começavam a descer e a ameaçar uma noite pouco tranquila. Pouco passava das 16:00 horas…

(Continua)

6 Comments:

At 23 dezembro, 2006, Anonymous Anónimo said...

DESEJO UM BOM NATAL E UM EXCELENTE ANO DE 2007

António Ferreira

 
At 23 dezembro, 2006, Blogger JL said...

Venho deixar o desejo que o Natal deste ano seja, o mais possível, o reflexo dos valores do Presépio de há dois mil anos. João Lopes

Esta história está fantástica. Estou a seguir os capítulos atentamente. Aguardo o próximo.

 
At 26 dezembro, 2006, Blogger pitanga said...

Olá Matos. Este teu relato lembrou-me quando era o rapaz pequeno e desceu a escorregar num plástico junto com a prima. Faço idéia quando for lá agora. Imagina um biólogo a catalogar as espécies, a recolher o lixo e medir o tamanho das rochas...já acabou o inverno! Já o fiz prometer que nunca vai se amarrar ao Green Peace...hehee

 
At 27 dezembro, 2006, Anonymous carlos lopes said...

ola carlos deste-me o endereco do blog e a curiosidade despertou em min...ja li os dois capitulos da aventura e como tu dizes a meio de uma das narrativas,ocorrem-se-me varios comentarios!mas o k mais se adapta e mesmo espectacular!esta fantastico!!temos k fazer mais aventuras destas,e k se continuar-mos teras material pra escrever 1 livro k decerto tera exito!muitos parabens matos!simplesmente adorei!ganda abraço do primo lopes.

 
At 07 janeiro, 2007, Anonymous Anónimo said...

Fico a espera do 4º capítulo, que bem pode ser a continuação do T1 entre Loriga e Vide. Diferente mas espectacular. Tirando algumas incorrecções relativamente a Fraga do Padre Nosso que se localiza a jusante do covão da Areia a narrativa é excelente. Um pequeno AVISO – ALERTA Cuidado com a Serra ela muitas vezes é traiçoeira, PRINCIPALMENTE NO INVERNO
Obrigado pela promoção daquela região.

DE Loriga

 
At 21 janeiro, 2010, Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

 

Enviar um comentário

<< Home